___________________________

Blog

___________________________

O Desafio do Lixo Eletrônico: Como a Obsolescência Programada Contribui para um Problema Crescente

Dia 14 de outubro é o Dia Internacional do Lixo Eletrônico foi organizado pelo WEEE Forum, uma instituição sem fins lucrativos europeia que é o maior centro multinacional de competência do mundo em termos de know-how operacional referente à gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos.

O termo “lixo eletrônico” ou “Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE)” refere-se a todos os dispositivos eletroeletrônicos, bem como suas partes e acessórios, que são descartados por seus proprietários sem a intenção de reutilizá-los. Com o constante avanço das tecnologias no mundo moderno, novos produtos são lançados rapidamente, levando os consumidores a substituir seus equipamentos eletrônicos com frequência, muitas vezes sem necessidade real. Esse fenômeno é conhecido como obsolescência programada e tem contribuído significativamente para o aumento do lixo eletrônico. De acordo com o relatório “The Global E-Waste Monitor” da ONU em 2017, o Brasil descarta em média 1,5 milhão de toneladas de lixo eletrônico anualmente. Globalmente, em 2017, foram geradas cerca de 44,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico, o equivalente a 4,5 mil Torres Eiffel. E a previsão até 2021 era de que esse número subisse para 52,2 milhões de toneladas por ano.

Abaixo, alguns fatos sobre o lixo eletrônico.

Obsolescência Programada e o Desperdício: A obsolescência programada, também conhecida como obsolescência planejada, é uma estratégia usada por fabricantes para incentivar a compra de novos produtos, mesmo quando os produtos atuais estão em perfeitas condições de funcionamento. Isso é feito fabricando itens com uma vida útil predefinida, forçando os consumidores a substituí-los com frequência.

Impactos do Lixo Eletrônico: O problema do lixo eletrônico vai além do simples descarte. Os equipamentos eletrônicos contêm componentes tóxicos que, quando descartados de maneira inadequada, podem contaminar o solo e as fontes de água subterrânea, representando um risco para a saúde pública. De acordo com o Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), cerca de 70% dos metais pesados encontrados em lixões e aterros sanitários controlados têm origem em equipamentos eletrônicos descartados de forma imprópria.

Logística Reversa como Solução: Desde 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) busca regulamentar a gestão de resíduos, tanto domésticos quanto industriais. A PNRS estabelece que a responsabilidade pela logística reversa de certos produtos deve recair sobre fabricantes, importadores, comerciantes e distribuidores. No entanto, o envolvimento ativo dos consumidores é essencial para iniciar esse processo. Eles devem se comprometer a descartar produtos eletrônicos em locais apropriados, que permitam coleta e reciclagem adequadas.

A logística reversa é um instrumento crucial para a gestão de resíduos, definida na PNRS como um conjunto de ações destinadas a coletar e devolver resíduos sólidos ao setor empresarial para reaproveitamento ou destinação final ambientalmente adequada. A implementação da PNRS tornou as empresas responsáveis pela logística reversa, contribuindo para a redução dos impactos ambientais e riscos para a saúde pública decorrentes do descarte incorreto.

Old computer and electronic waste. Recycling concept

Transformando o Lixo Eletrônico em Oportunidade: O lixo eletrônico, quando gerenciado de forma apropriada, pode se tornar uma fonte de receita para as empresas fabricantes. O reaproveitamento desses resíduos pode não apenas ser lucrativo, mas também crucial para a preservação do meio ambiente, evitando a contaminação do solo e da água. De acordo com a legislação brasileira, a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos é compartilhada, envolvendo consumidores, comerciantes, distribuidores e fabricantes.

Portanto, todos nós desempenhamos um papel fundamental na resolução do problema do lixo eletrônico. Os consumidores devem descartar seus eletrônicos em locais apropriados, enquanto comerciantes e distribuidores são responsáveis por facilitar o processo de logística reversa, entregando os produtos aos fabricantes e importadores, que, por sua vez, devem garantir a destinação adequada, como a reciclagem. Juntos, podemos enfrentar o desafio do lixo eletrônico e promover uma gestão sustentável desses resíduos. (Fonte: eCycle)

Transformar hoje.
Preservar amanhã.
Inovar sempre.

_______________________________________________________________________________________________

MTR

Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR)

Se você está envolvido no gerenciamento de resíduos, é provável que já tenha se deparado com o termo “Manifesto de Transporte de Resíduos” (MTR). Essa

Cooperativas de reciclagem

Entenda como trabalham as cooperativas de reciclagem

Além de desempenharem um papel essencial na preservação ambiental, as cooperativas de reciclagem também desempenham um papel crucial na melhoria das condições de vida das

CompromissoVerde

A DI-ON Ambiental e o Movimento ESG

Na DI-ON Ambiental, acreditamos que o compromisso com a sustentabilidade vai além de uma prática empresarial – é um compromisso com o futuro do nosso